terça-feira, 18 de outubro de 2011

Fim da greve no Banco do Brasil

Proposta aceita pelos bancários do Banco do Brasil

São Paulo - Os bancários do Banco do Brasil encerraram a greve em assembleia realizada na noite da segunda 17. Por 80% a 20%, os trabalhadores aprovaram a proposta que prevê o índice de reajuste de 9% para salários e verbas – tíquetes refeição, alimentação e auxílio-creche/babá.

Para as questões específicas econômicas do BB o piso será reajustado em 10%, que passa a R$ 1.760. Com isso o aumento real de 2,43% impacta em toda a curva do Plano de Cargos e Remuneração (PCR). Cada M (mérito) passa a valer R$ 97,35 com o aumento real de 2,43%.

Outro avanço é a retroatividade do Plano de Cargos Comissionados no mérito da carreira até 1998. Após a conquista da carreira de mérito na campanha do ano passado, a luta agora é para que seja aprimorada. A retroatividade garante que o período de exercício de comissões, desde a criação dos VRs (valores de referência), seja reconhecido para todos os funcionários.

PLR - O cálculo da Participação nos Lucros e Restultados do 1º semestre de 2011, considera os mesmos critérios das distribuições anteriores.

Esse modelo prevê distribuição anual, dividida em dois semestres distintos, de 90% do salário paradigma (A-6 para escriturário e A-6 + comissão de caixa e VRs), distribuição linear de 4% do lucro líquido, além de valor baseado na parcela fixa da PLR da categoria (Fenaban), mais o módulo bônus para os comissionados. O pagamento é feito semestralmente.

Para o primeiro semestre de 2011, os valores corresponderão a 45% do salário, mais valor baseado na parcela fixa da Fenaban, distribuição linear de 4% do lucro líquido.

Para se ter ideia do quanto essa distribuição representa, a partir do lucro anualizado do banco em 2011 (R$ 12, 6 bi) um empregado que ganha o piso de R$ 1.760 (reajustado em 9%) receberá de PLR total cerca de 4,23 salários.

Dias parados - O Comando Nacional dos Bancários garantiu junto à federação dos bancos que não serão descontados nenhum dos dias da greve. Os dias já descontados em folha deverão ser devolvidos e compensados de segunda a sexta-feira (não em feriados), no máximo duas horas diárias até 15 de dezembro. Eventual saldo após esse período será anistiado.

Trava no descomissionamento - Um dos maiores embates entre os representantes dos trabalhadores e a direção do Banco do Brasil foi em torno da manutenção da cláusula que estabelece as três avaliações negativas e consecutivas antes que haja qualquer descomissionamento. Depois de uma verdadeira batalha e, por força da greve, ficou mantida a proteção à perda da comissão.

Licença-saúde - Ampliação de 4 para 12 meses do VCP (Vencimento de Caráter Pessoal) ao comissionado que retorna das licenças saúde e de acidente trabalho.

Trava de remoção reduzida - A trava foi reduzida para um ano em caso de concorrência de posto efetivo para comissionamento. Essa alteração, conquistada na mesa de negociação, permite que os trabalhadores tenham melhor perspectiva de crescimento na carreira. Antes era preciso ficar dois anos como Posto Efetivo para pleitear a promoção, o que “atrasava” a carreira dos funcionários.

Avanços na CABB - Os trabalhadores da Central de Atendimento do Banco do Brasil (CABB) receberão o mesmo valor da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) que os caixas das agências: R$ 3.912,16. A medida beneficia mais de mil trabalhadores em todo o país, mais da metade está lotada em São Paulo. Até 2010, a PLR desses empregados correspondia ao valor pago aos escriturários.

Outro avanço refere-se à Remoção Automática no Posto Efetivo: o funcionário não precisará pedir dispensa da comissão para a remoção automática. Para concorrer à remoção é necessário ser posto efetivo. Essa alteração garante a manutenção da comissão até que surja a vaga para remoção.

PAS incorporados - Adiantamentos para os funcionários dos bancos incorporados, como a ex-Nossa Caixa, que optaram pelo regulamento do BB e pertençam aos planos de saúde Economus, Fusesc ou Prevbep. Garantia de isonomia de direitos no que diz respeito aos auxílios e benefícios do Plano de Assistência Social (PAS). Auxílio para aquisição de óculos e lentes.

Ranking - As instituições financeiras não poderão mais divulgar rankings individuais de performance que tanto expõem os trabalhadores à humilhação e ao assédio moral nas agências e concentrações.

Segurança - Duas importantes reivindicações estão sendo atendidas: a proibição do transporte de valores por bancários e a ampliação de monitoramento eletrônico. No primeiro caso a medida serve para proteger a integridade dos trabalhadores que são alvo constante da ação de marginais. A outra medida visa a ampliar a proteção aos bancários de instituições financeiras públicas e privadas.

Aprimoramento - Ampliação de 55.261 para 68.057 no público alvo do programa de aprimoramento, com aumento de valor da verba de R$ 200 para R$ 215. Apesar de o valor ainda ser pequeno, é uma forma de valorizar o trabalhador e ajudar em sua formação.

Bolsa de estudo - Concessão de 1.000 bolsas de graduação e 500 de pós-graduação para os funcionários.

Reestruturação de dívidas - Reestruturação do Programa Recuperação de Dívidas, com redução da taxa de juros e aumento no prazo de pagamento.

Fonte: Sindicato dos Bancários

Nenhum comentário:

Postar um comentário